X



 

  • novembro 6, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em Protagonismo Trans abre o Programa UFF Mulher
  • in Uncategorized

Protagonismo Trans abre o Programa UFF Mulher

O Programa de Extensão UFF Mulher, o Centro de Cidadania LGBT Leste e o Coletivo Diversitas UFF estão promovendo o “Curso de extensão: atualização em gênero, diversidade sexual e direitos sociais”. A aula inaugural ocorreu no dia 22 de outubro, com a exibição do filme Protagonismo Trans e o lançamento do livro Protagonismo Trans* Política, Direito e Saúde na Perspectiva da Integralidade. Entre as debatedoras, estavam Bruna Pereira Souza, protagonista do documentário.

20151022_183114 20151022_183106 20151022_182924 20151022_163100 20151022_212441 20151022_193603 20151022_193555 20151022_193545 20151022_19335520151022_194407

  • outubro 14, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em Protagonismo Trans exibido na Bem me Cuir
  • in Uncategorized

Protagonismo Trans exibido na Bem me Cuir

"Xs estudantes de graduação e pós-graduação do Instituto de Artes da UERJ brilhosamente apresentam a segunda edição dx BEM ME CUIR: FESTIVAL MULTIGÊNERO DE ARTE!"

Protagonismo Trans foi exibido no dia 15 de Setembro no Festival que reuniu artistas, ativistas políticxs e teóricxs do pensamento queer. O BEM ME CUIR é realizado pela UERJ, pelo Instituto de Artes da Uerj, PPgartes Uerj, Laboratório de Ensino da Arte, Cine Artes Uerj, Caia Uerj e Casa 24.

cópia de 20150910_203637

Auditório lotado para a sessão.

cópia de 20150910_210555

Profa Jaqueline Gomes de Jesus, Profa Adriana Geisler, Kakau Ferreira, Andiara Ramos Pereira, Luis Carlos de Alencar e Prof Eder Fernandes.

cópia de Carol

Público acompanha o Bate-bapho após o filme

cópia de Kleper

Artista Kleper Reis discorre sobre sua performance "O Cu é lindo"

deedee

Componentes da mesa com fome e com sede.

  • outubro 3, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em Lançamento do Protagonismo Trans na Fiocruz
  • in Uncategorized

Lançamento do Protagonismo Trans na Fiocruz

No dia 11 de Setembro, houve o lançamento conjunto do documentário "Protagonismo Trans", realizado pelo diretor Luis Carlos de Alencar (produtora Couro de Rato) e do livro "Protagonismo Trans: política, direito e saúde na perspectiva da integralidade", coordenado por Adriana Geisler.

 

11227761_10204677590035786_2196272388007521116_n

Luis Carlos de Alencar e Adriana Geisler

 

O documentário “Protagonismo Trans” é produto de uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas. Realizado pelo diretor Luís Carlos de Alencar, da produtora Couro de Rato, o filme registra rodas de conversa que promoveram o encontro entre pesquisadores e o universo Trans da baixada fluminense. O projeto também resultou no livro "Protagonismo Trans: política, direito e saúde na perspectiva da integralidade", obra que apresenta nove artigos com as reflexões dos pesquisadores que participam da pesquisa. O lançamento foi realizado no dia 11 de setembro de 2015, no Museu da Vida.

11954692_865231190257320_520442804617219344_n

Livro lançado

cópia de 20150929_140855

Relação dos artigos e das autoras do livro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Depois da exibição do filme o público atuou vivamente no debate com quatro participantes do documentário: Kakau Ferreira, Kemilly Costa, Laylla Monteiro, Michelly Beyoncé e Vanessa Alves falaram sobre o filme e suas vidas.

 

20150911_194149

Laylla Monteiro, Michelly Beyoncé, Kemilly Costa, Vanessa Alves e Kakau Ferreira

 

 

11988371_949815408418694_7097631134068834635_n

Kemilly Costa, Vanessa Alves e Kakau Ferreira

 

11990660_949815418418693_8254692165245808801_n

Kemilly Costa, Vanessa Alves e Kakau Ferreira

 

Após o debate, houve coquetel e foto de todas as equipes: do filme, do livro, do projeto.

 

12002893_10204678288533248_4173079507708426172_n

Coquetel no Museu da Vida

 

11954591_10204678285173164_4510781161746952077_n

Foto de geral!!!

 

  • janeiro 21, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em Entrevista com Luis Carlos de Alencar sobre Bombadeira
  • in Uncategorized

Entrevista com Luis Carlos de Alencar sobre Bombadeira

FONTE: http://www.emdiacomacidadania.com.br/noticias/papo-luis-carlos-de-alencar-diretor-de-bombadeira-a-dor-da-beleza

Cartaz_final (1)

O que te levou a realizar um filme abordando o contexto desse segmento tão discriminado e rejeitado?

L.A.Apesar de estar sendo graduado em Direito, eu sempre tentava inserir a linguagem audiovisual como intervenção em nossas ações junto aos movimentos sociais de Salvador-BA. Em dado momento, trabalhei numa instituição onde um dos grupos sociais com que atuávamos era o das travestis e transexuais, negras e de baixa renda. Foram cerca de dois anos de convivência diária com sua realidade. Violência policial, extorsão, preconceito, falta de acesso à Saúde e Justiça, eram problemas recorrentes. As situações mais cotidianas, porém, me chamaram mais atenção: religião, linguagem, afetos, amores e brigas, família e, sobretudo, a relação que elas tinham com o corpo. O filme deriva disso: a necessidade de deixá-las falar sobre algo que comumente ainda é visto como grotesco, desnecessário, exagero, loucura e tudo o mais. eu mesmo não entendia tanto a importância do corpo para a construção delas diante do mundo e das pessoas. e, evidentemente, o papel que o corpo assume na elaboração de si para si mesmas. esses dois motivos, enfim, foram fundamentais para a realização do filme: produzir visibilidades sobre o cotidiano de um grupo de travestis/transexuais e abordar a importância do corpo como elemento formador de subjetividades.

Quais os resultados desse trabalho no seu campo pessoal e profissional?

L.A.As diversas situações um tanto complicadas por que passamos (a equipe), seja na escassez de recurso que dispúnhamos, no processo de aproximação com as travestis e transexuais, e principalmente, no acesso aos locais em que moravam, acabou por integrar um experiência ímpar nas pessoas envolvidas diante dessas situações adversas. Mas, acredito eu, para o resto da equipe o mais relevante foi pela primeira vez lidar, conversar, entrar na casa, passar um dia, bater um papo com travestis e transexuais que falavam sobre questões muito íntimas, sonhos, desejos, desamores, maridos, afirmando simplesmente sua qualidade de pessoa. em muitos que trabalharam no “Bombadeira” havia uma percepção sobre elas destituídas de humanidade, distanciadas, presas aos papéis tradicionais da prostituição, da marginalidade e por aí vai. o contato durante o processo de realização atingiu a todos nós inegavelmente. em mim, confesso, houve ainda outras consequências: há tempos eu tb possuia um desejo de, em algum nível, modificar meu corpo. por diversos motivos, queria fazer uma intervenção corporal. foi a partir do filme, isto é, do contato com elas e da coragem diante desse assunto que enfim consegui tomar uma iniciativa. é claro que são modifições corporais distintas, com implicações subjetivas e socias diferenciadas, já que não me interessava por um corpo feminino; mas que se encontram na motivação de se considerar o seu corpo, para além de um meio, como um constrútor de sentidos de si perante o mundo em que vivemos. Hoje tenho uma prótese de silicone no meu antebraço esquerdo.

O filme vai entrar em circuito normal, como vai ser distribuído?

L.A.Vai para festivais e mostras de audiovisual. Previmos distribuição gratuita para entidades da sociedade civil e poderes públicos que se interessem pelo tema, bibliotecas e universidades públicas do país e escolas públicas secundárias do Estado da Bahia.

E já está inscrito ou classificado para alguma mostra?

L.A.as inscrições em festivais e mostras ocorrerão a partir do segundo semestre, mas já participamos da seleção oficial de melhor longa documentário do Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa – CINEPORT.

Você falou em liberar o filme depois de 2009. Vai pro Creative Commons?

L.A.Isso mesmo. O filme será liberado para reprodução pelo sistema de creative commons, a partir de 2010. Acreditamos que a obra é de interesse público e não deve ficar restrita ao caráter dos direitos autorais.

OK, que você está no lançamento deste trabalho, mas já tem alguma outra coisa na agulha?

L.A. Como próximos trabalhos, estou na pré-produção de dois documentários: o entorno do sistema prisional no Rio de Janeiro e grupos de extermínio em Salvador. Sobre isso conversaremos mais adiante

  • janeiro 21, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em O corpo como afirmação é o mote do documentário ‘Bombadeira’
  • in Uncategorized

O corpo como afirmação é o mote do documentário ‘Bombadeira’

FONTE: http://oglobo.globo.com/cultura/o-corpo-como-afirmacao-o-mote-do-documentario-bombadeira-4179790

Bobad22

RIO - A transformação do corpo como forma de afirmação da sexualidade dos travestis é o mote do documentário "Bombadeira - A dor da beleza", longa de estréia do diretor baiano Luis Carlos de Alencar. Ele parte da figura da "bombadeira", profissional conhecida por "transformar" o corpo de suas pacientes com aplicações clandestinas de silicone, para mostrar um lado pouco explorado de um dos grupos mais marginalizados da sociedade.

- A mídia sempre mostra os travestis em dois ambientes: ou na pista ou na boate. Eu quis dar visibilidade a outros espaços, buscar lugares onde geralmente ninguém entra. Busquei uma imagem mais próxima da intimidade. Queria mostrar a questão do corpo e do acesso à saude - explica o diretor.

A história da bombadeira é apenas um pretexto para um desenrolar instigante de relatos em primeira pessoa de travestis da periferia de Salvador. Para eles, colocar silicone significa bem mais do que ficar "bonita", é uma forma de afirmar sua feminilidade, e isso vem em primeiro lugar, mesmo com os riscos que envolvem uma cirurgia clandestina. Andrezza, que trabalha em uma ONG na cidade, é uma das personagens retratadas.

- Eu modelei meu corpo, coloquei silicone quatro vezes, e isso para mim foi tudo. Foi uma forma de adequar meu sexo genético ao psicológico, de melhorar minha auto-estima e de me reconhecer como mulher. Hoje tenho um corpo que, para mim, é natural, mas é complicado. Muitas já morreram na hora da aplicação, mas a gente não pensa nisso na hora, porque vai realizar um sonho. Tento não pensar muito nisso. Minha única preocupação é o prazo de validade.

O longa tem o mérito de desmistificar a figura dos transexuais como figuras noturnas. Eles são mostrados sob a luz do dia, em seu cotidiano, dentro de suas próprias casas, com seus maridos - sim, a maioria tem companheiros - e mesmo eles também deixam sua intimidade à mostra frente às câmeras.

- No campo da sexualidade, o travesti está na última categoria, ficando à margem da margem. E o que a mídia geralmente mostra é o barraco no meio da rua ou pegando cliente. O filme mostra uma coisa totalmente diferente, colocando bem detalhado como é o dia-a-dia, o culto ao corpo... - explica Andrezza.

O documentário recorre à linguagem que consagrou o cineasta Eduardo Coutinho, com os personagens dialogando com o entrevistador em seus ambientes cotidianos, com a câmera ligada e imagens cruas. Luiz Carlos de Alencar, assim como Coutinho, deixa seus entrevistados falarem e, a partir dos relatos, constrói uma narrativa que, por vezes, parece um pouco desgastada, mas que não diminui em nada o mérito do filme.

- Eduardo Coutinho tem uma influência muito grande sobre o Fernando Oliveira, montador do filme, que é o responsável pela linguagem de "Bombadeira" - conta Alencar.

Dessa forma fluem relatos interessantíssimos, sem sentimentalismo nem apelação, mas com muita emoção, como o depoimento tocante de Emanuel, "marido" do travesti Michelle, que morreu durante as filmagens do documentário.

Mas o ápice do filme é mesmo uma sessão de "bombação", como os travestis chamam a aplicação do silicone. De forma crua, o espectador acompanha passo-a-passo o sofrimento - a tal "dor da beleza", do subtítulo do filme - causado pelas agulhas e pelo líquido viscoso que se integra à carne.

PUBLICIDADE

- Tentei colocar as imagens da forma mais contemplativa possível, com a imagem crua. Não queria glamurizar aquilo. Nas exibições que fizemos, a recepção é bem diferente entre as pessoas. Enquanto os travestis vêem aquilo e começam a comentar com quem está do lado para contar suas experiências, quem nunca viu aquilo fica consternado - fala o diretor.

O filme foi exibido em algumas sessões fechadas - a última foi na última segunda-feira no Teatro Rival, no Rio - e aguarda a entrada no circuito de festivais do segundo semestre deste ano. Com o apoio da Petrobras, 1.300 cópias do documentário em DVD serão distribuídas gratuitamente para o Ministério da Saúde, bibliotecas, escolas e universidades públicas, além de contar com exibições em ONGs e postos de saúde.

- Acredito muito no potencial de formação e informação do filme - conclui.

  • janeiro 21, 2015
  • By admin
  • Comentários desativados em Documentários de Cabo Verde no Rio de Janeiro
  • in Uncategorized

Documentários de Cabo Verde no Rio de Janeiro

FONTE: Resenha publicada no semanário A Nação, n. 222, p. E-18, de 1 de dezembro de 2011.

Luis e mamad

quinta edição do Encontro de Cinema Negro Brasil, África & Caribe, curadoria de Zózimo Bulbul, no Rio de Janeiro de 24/11 a 01/12, trouxe dois documentários com temas cabo-verdianos: “São Tomé: os últimos contratados” (dir. Leão Lopes) e “Fragmentos de Mindelo” (FM) (Projeto dos cursistas da Especialização em Cinema do M_EIA/2011).

FM reúne seis pequenos curtas com diferentes facetas, em sua maioria marginalizadas, da cidade do Mindelo. O primeiro chama-se “Valentina”, no qual uma velha senhora conta histórias do passado colonial, trata das grandes secas nos anos 1940, recorda os tempos de prosperidade vivenciados na Ilha do Sal e critica os novos hábitos da contemporaneidade.

Já em “Ribeira Bote: primeira zona libertada” mostra o preconceito sofrido pelos moradores da região, histórico lugar de resistência anticolonial. Por ser uma área conhecida pela violência, precisam mentir o local onde vivem para conseguir emprego. Esses jovens desempregados e sem perspectivas chamam o lugar onde moram de B13, em referência ao filme francês homônimo que mostra moradores excluídos pela sociedade em um gueto cercado por um grande muro na Paris contemporânea, e expressam suas indignações através do rap. Tratados como párias sociais no cruel e insensível jogo pós-moderno - recorda-se o “cosmopolitismo do pobre” do crítico Silviano Santiago -, a apropriação e a identificação com o gueto francês B13 pelos jovens mindelenses demonstra, no contexto contemporâneo de um país independente, a guetização permanente sofrida pelos viventes da Ribeira Bote. Seus depoimentos são intercalados aos mais velhos que participaram das rebeliões e criavam barricadas para dificultar o acesso das forças coloniais.

“Trazêm uma cosa” mostra os itens diversos que a comunidade cabo-verdiana nos EUA envia para os familiares no arquipélago. Lembra o que Eugénio Tavares defendia em suas crônicas da importância do ilhéu partir para a emigração e sustentar sua família com a renda recebida na terra-longe, deixando seus parentes em condições de vida melhores as quais permanecesse em Cabo Verde.

“Pinkim Senegal” apresenta o preconceito ao imigrante africano no Mindelo, onde comunidade mulçumana de senegaleses, pejorativamente chamados de “mandjacos”, atua no comércio em feira popular.

“Mandingas” mostra manifestação afro-crioula no carnaval mindelense com o bloco “mandingas”. Participantes – homens e mulheres – pintam-se de preto, usam ornamentos de guerreiros africanos e saem pelas ruas da cidade expressando sua alegria. O bloco contribui para o resgate da autoestima dos moradores e é uma demonstração de valorizar a afro-crioulidade do cabo-verdiano.

“Casalata” demonstra o problema da moradia para os menos favorecidos no Mindelo. Uma família em condições paupérrimas vive amontoada em uma casa feita com pedaços de metal e sofre com as autoridades locais por se tratar de uma construção em local irregular.

“São Tomé: os últimos contratados”. O corrosivo documentário denuncia como vivem hoje os cabo-verdianos que foram contratados para trabalhar nas lavouras de São Tomé e Príncipe no período de 1950 a 1970, considerado o último fluxo de contratados para este arquipélago. Retrata o cotidiano de pobreza extrema de boa parte dos já velhos cabo-verdianos e seus descendentes, cidadãos são-tomenses, e o preconceito que sofrem na sociedade por serem estrangeiros. Depoimentos narram como eram realizadas as contratações, a violenta repressão colonial no arquipélago, as péssimas condições de trabalho que mais era uma escravidão, como fazem para se sustentar, as manifestações religiosas, a confraternização com um campeonato de futebol e o resgate de raízes e autoestima com o batuque realizado por um grupo de mulheres. Documentário forte, por outro lado, sensível e humano.

Um olhar diaspórico e um diversificado panorama do Mindelo contemporâneo. Dois documentários que contribuem para compreensão da cultura cabo-verdiana.

Vídeo sobre os 114 testemunhos de violações de direitos para realização Copa do Mundo e as Olimpíadas.

Na preparação do Rio de Janeiro para a Copa do Mundo e as Olimpíadas, mais de 100 mil pessoas já foram removidas ou estão ameaçadas. Este vídeo utiliza imagens da internet feitas por moradores, ativistas, movimentos e jornalistas para denunciar as violações de direitos humanos no Rio de Janeiro. A compilação faz parte de um projeto de curadoria ativista de vídeos, que passou 18 meses identificando, verificando e sistematizando 114 vídeos divulgados sobre o tema entre 2008-2012.

VEJA O QUE O PROJETO REVELOU:
http://rio.portalpopulardacopa.org.br/curadoria

FAÇA O DOWNLOAD DA PESQUISA COMPLETA:
http://bit.ly/CuradoriaVideo

DIVULGUE O LINK DO VÍDEO DE LANÇAMENTO:
http://youtu.be/2eAIKhFj0m4

A montagem do vídeo foi feita por Vladimir Seixas e a pesquisa por Glaucia Marinho, Gizele Martins, Priscila Néri e Tiago Donato. Música de Rio40Caos.

Sessão Lotada no Odeon

FONTE: http://www.grupoestacao.com.br/eventos/hiato/hiato.htm

Odeon copy

 

O Grupo Estação, via Oficina Cine Escola, em parceria com a ANF – Agência de Notícias das Favelas, realizou o evento Cinema Ocupado com a pré-estréia do documentário Hiato: seguida de debate, distribuição de alimentos e atividades culturais. O evento contou também com parceiros como a Rain Network, Sindisprev e o Sindicato dos Bancários.

Hiato: traz uma reflexão sobre o abismo entre as classes sociais do nosso país e a forma como se relacionam. São vinte minutos de edição de imagens realizadas pela imprensa em 03 de agosto de 2000, quando movimentos sociais se organizaram para uma visita ao famoso shopping da zona sul da cidade e sofreram forte repressão policial. O filme conta ainda com depoimentos atuais de convidados, entre eles, profissionais de Comunicação Social e participantes do ato.

o evento contou com a presença de moradores e ocupantes dos assentamentos Campo Belo, Tinguá, ocupação indígena de Camboinhas, Zumbi dos Palmares, Chiquinha Gonzaga, Manoel Congo, Quilombo das Guerreiras e moradores do Complexo do Alemão e também com a presença da comunidade protagonizada,composta, em sua maioria, por pessoas que nunca visitaram uma sala de cinema. O convite estendeu-se aos outros segmentos da sociedade.

Às 9h30, o evento deu início com apresentação dos índios Guarani ocupantes do movimento de Camboinhas. Em seguida, a sessão foi apresentada pela representante do Grupo Estação e pelo diretor do filme, Vladimir Seixas.

Após a sessão, houve um debate com uma mesa composta por Mardônio (representante do MST- Movimento Sem Terra), João Tancredo (presidente exonerado da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ e presidente do IDDH, Instituto de Defensores de Direitos Humanos), Cristiane de Cássia (jornalista do jornal O Globo, presente na cobertura do ato em 2000), Elisabeth da Silva (sem teto, integrante do Assentamento de Campo Belo, Km 32, participante do evento na época, principal entrevistada do documentário), Valéria Tatsch (representante do MTL) e André Fernandes, diretor da ANF, Agência de Notícias das Favelas, participante do ato como um dos organizadres da FLP, Frente de Luta Popular, representando o Movimento Favelania. O debate durou aproximadamente duas horas.

Em seguida, oferecemos pão com mortadela e refrigerante a todos os convidados, enquanto começou uma apresentação do grupo Finabatucada na praça da Cinelândia, encerrando o evento.

Publicada a entrevista com Vladimir Seixas na Revista Estudos Políticos

FONTE: http://revistaestudospoliticos.com/perguntas-a-vladimir-seixas-sobre-os-documentarios-hiato-e-atras-da-porta-por-cesar-kiraly/

hito

 

Perguntas a Vladimir Seixas sobre os documentários Hiato e Atrás da Porta, por Cesar Kiraly

1- Antes de tudo, gostaria que comentasse a sensação, presente no seu primeiro filme, Hiato, de que as pessoas estão sempre muito próximas de entidades muito abstratas, tais como direitos, quão mais o aspecto duro da realidade sobre elas se impõe. Digo a dureza no sentido da fragilidade. Porque no que concerne aos guardas e autoridades, quão mais a dureza lhes confere poder, menos as entidades abstratas se manifestam. Como o documentarista de cenas urbanas conflituosas vive esse paradoxo?

As regiões onde vivem as pessoas que são mostradas no Hiato estão arrasadas até hoje, mesmo que a conjuntura política local seja outra. De fato, elementos como cidadania, direitos humanos, estado de bem estar social e outros, se mostram distante daquela realidade cotidiana e os moradores de lá sabem muito bem disso. A ida ao shopping fazia parte dos esforços de uma semana de ações por parte dos movimentos sociais do Rio de Janeiro referente aos sete anos da chacina de Vigário Geral onde foram assassinadas mais de vinte pessoas. Esse episódio do shopping foi o único que tencionou essa discussão em um nível maior de abstração. Isso se passou no ano 2000 e vi somente pela televisão. Na época me lembro de ter entrado ao vivo no jornal local uma pauta que esperava uma onda de saques e ‘arrastões’. Depois de sete anos, quando precisei fazer um exercício para a escola de cinema Darcy Ribeiro, decidi trabalhar essa história. Já tinha conhecido integrantes do episódio que estudavam na Universidade comigo, lido artigos que abordavam o assunto, assistido palestras que lembravam tudo etc. Pode inicialmente parecer um paradoxo, pessoas com demandas tão concretas realizarem uma intervenção desse tipo, mas acontece que isso foi somente o que ficou; justamente por esse diferencial. Na época houve manifestação no Centro da cidade, recolhimento de abaixo-assinado, comissão entregando documentos ao governador, discurso em carro de som na porta da Alerj, distribuição de vários informativos… Entretanto, a ida ao maior shopping de classe média/alta na zona sul com mais de 300 pessoas muito pobres em vários ônibus e o anúncio à grande imprensa instaurava um gesto perturbador que surpreendeu muita gente.

2- Primeiro você filmou o Hiato e depois o Atrás da Porta. Mas, para mim, depois de assistir ao Atrás da Porta foi que os sentidos do Hiato se abriram com mais consistência. No Hiato as portas se abrem automaticamente, no Atrás da Porta elas precisam ser arrombadas. No primeiro a repressão se deve em muito ao olhar desgostoso, no segundo pela obrigação dos militares uniformizados, ou outros agentes do poder público. No primeiro a pobreza busca a luz, no segundo se esconde dela. No primeiro há o espetáculo da própria condição, no segundo certo envergonhamento. Até a voz que no segundo filme pede “Filma Tudo”, busca se esconder. Como avalia essas distinções?

Entre os dois trabalhos houve mais quatro curtas. Outras formas foram experimentadas e talvez venha daí a referência de maior consistência aberta aos sentidos. Fico feliz que relacione os dois, pois o Atrás da Porta veio mesmo em decorrência do Hiato. Os próprios sem-teto me chamaram para registrar as novas ocupações e despejos devido à circulação e o grau de debate que o curta gerou. E eles foram muito pouco exibidos em conjunto. Também penso neles como complementares. Essa diferença que você identifica também vem da diferença dos processos. No Hiato fui, anos depois, conversar com os manifestantes e nos utilizamos muito de imagens de arquivo da grande imprensa como também de arquivos dos próprios manifestantes. Na ocasião fui com a Helen Ferreira, que tinha registrado em VHS toda a movimentação no Shopping na época. Aquilo tudo era distante. Já no Atrás da Porta, eu e Chapolim (fotógrafo morador de uma ocupação que também aparece no vídeo) estávamos registrando todo o processo e a ação da polícia. Chegamos ao ponto de que em um despejo, quando toda a grande imprensa já tinha ido embora, de receber ameaça de prisão se continuássemos filmando. Quando no último despejo o policial federal diz que serei o último a sair e que eles vão ficar lá dentro só comigo eu não consegui nem apontar a câmera diretamente para seu rosto. Em ambos os contextos houve repressão, imagina um shopping enorme parado. Quantos empresários não exigiram uma punição exemplar, posto que o shopping parou? E se a moda pega? E de fato tivemos caso de abuso e agressão posterior, aos militantes. Mas esse risco não havia diretamente na feitura do curta, diferentemente do segundo caso. Com efeito, os vídeos realmente trabalham a vergonha de maneira diferenciada. Com relação a vergonha no Hiato, vejo o ato do shopping como a potencialização da própria condição no sentido de combate pelos signos da própria pobreza. Isso que te envergonha, nossos signos de pobreza, nos fortalece. Existe uma violência gestual nessa primeira vergonha. Menos espetáculo que ato performático. Com relação ao Atrás da Porta, a vergonha se apresenta em um sentido mais complexo. Me lembro de como propõe duramente Primo Levi em relação aos campos de concentração nazistas; vergonha de ter vivido aquilo e não conseguir impedir. Vergonha de não superar uma lógica que mantém centenas de prédios fechados na região central e expulsa pessoas para onde não há qualquer oportunidade digna de subsistência. Vergonha de ser homem.

3- Poderíamos dizer que a estética da sobrevivência é superior a do shopping center?

Em Campo Belo, Nova Iguaçu, onde vive grande parte das pessoas que participaram do ato no shopping, de 2000 pra cá tivemos a atuação incisiva de milícias, grupos de extermínio, narcotraficantes, policiais e com isso muitas execuções. Na época, cada vez que chegávamos mais perto de lá e pedíamos explicação de como chegar lá, éramos perguntados o que íamos fazer em um local como aquele. Isso já bem longe do centro do Rio. E a estratégia foi exibir imagens de arquivo e depois realizar a entrevista. Os entrevistados iam vendo as imagens e enumerando alguns que já haviam sido mortos. Além de pessoas executadas, muitas mortes por doença… O que quero dizer com isso é que cada uma dessas estéticas de luta só pode valer mais que a outra se forem artificialmente separadas, posto que se articulam em relação de complementariedade. A ida ao shopping e a discussão da segregação disfarçada em nossa cidade recobre seu lado de sobrevivência e vice-versa. Acho que meu primeiro vídeo tenha sido excessivamente expositivo e pra muitos isso tem um menor valor estético no panorama geral do audiovisual. Talvez pela forma como a televisão se utilizou, e ainda utiliza muito, dessa metodologia. A recorrência dessa forma de documentário pela mídia realmente não acrescentou muito no enriquecimento do campo das narrativas audiovisuais. Muito pelo contrário, vemos com isso uma proliferação de clichês.

Durante o curso de cinema, realizei paralelamente um estudo que recuperava a divisão feita por um filósofo de um cinema ancorado na dimensão do homem como estímulo-resposta e outra baseada na ruptura desse par. A intenção era problematizar os automatismos contidos em cada campo. A diferenciação realizada por Gilles Deleuze entre imagem-movimento e imagem-tempo se tornou tão empregada que gera alguns usos acomodados. Grosso modo, o mundo da primeira imagem é ligado ao cinema narrativo que se tornou clássico; já o da segunda seria remetido ao cinema moderno que muitas vezes se vale de uma disnarratividade. O caso é que atualmente o clichê se instala em ambas as tendências, mas vemos um esforço concentrado de denúncia estritamente ao primeiro tipo de imagem. Como se os críticos, curadores, pesquisadores e até os próprios realizadores tomassem um partido; somente de um lado tudo é válido esteticamente. Veja o exemplo da reedição do Cineastas e Imagens do Povo de Jean Claude Bernardet. Ele acrescentou um capítulo mostrando como a ampla utilização de entrevistas nos documentários cada vez mais engessava a criação no cinema. Em dois anos a hegemonia dos filmes documentários nos festivais brasileiros era de documentários que não se valiam de entrevistas. O próprio Deleuze perto da conclusão desses 2 trabalhos acerca do cinema chega a afirmar que não se pode dizer que uma imagem valha mais que a outra. Que as imagens modernas não possuem valor algum se não estiverem à serviço de uma vontade de arte poderosa. Decidi realizar pela escola de cinema um curta filiado a cada uma das imagens. O Hiato pode ser remetido à imagem-movimento e o curta, pouquíssimo exibido, Ruído Negro à imagem-tempo. Ambas investidas foram experimentais em minha condição de aluno. Lembro-me de ter mostrado um corte preliminar a um professor que ficou incomodadíssimo com o rumo da montagem do Hiato. Para agredir o filme disse que o mesmo era um Globo repórter.  Chegou ao cúmulo de intervir quando o curta foi selecionado para o festival de Havana no intuito de que o filme não fosse enviado pela escola para o festival. Acho que esse histórico do Hiato ajuda acrescenta nos questionamentos que levantou em relação as distinções estéticas.

4- Voltando ao tema da primeira questão, mas no contexto do segundo filme, o vocabulário das pessoas é muito mais conjuntural, mais circunscrito, e muito menos abstrato, e o sofrimento ao deixar as ocupações parece ser brutal. Há menos espaço para o conceito e se abrem demandas de vitalidade e confronto? A que atribui?

Ao momento decisivo que a cidade do Rio de Janeiro vive em relação aos megaeventos e os confrontos que com isso se anunciaram. Houve um acúmulo de análises conjunturais tanto no nível local quanto no global por parte de vários moradores de ocupações do centro da cidade. Chegou o momento em que ficou claro qual seria o modelo de intervenção urbanística que viveremos. E como a condição deles dialoga com o chamado capitalismo avançado. Os moradores de ocupações do Centro estão no olho do furacão imobiliário. Isso forçou pensar e denunciar o processo político que se encontram. Arrisco a dizer que os jogos Pan-americanos em 2007 foram decisivos nesse acúmulo. O aumento das ações policiais violentas nas favelas, as grandes obras que não visavam a melhora da qualidade de vida das pessoas, o acirramento da especulação imobiliária, aumento absurdo do custo de vida dos trabalhadores, inúmeros despejos de quem está no caminho do tal crescimento etc. Acho que o que surpreende no vídeo é a qualidade da fala das pessoas que estão fora da academia. São pessoas bem pobres e muito articuladas. Tentamos também com o vídeo oferecer a oportunidade de um encontro com a subjetividade daquelas pessoas. Mostrar, mesmo que minimamente, um cotidiano. Com o maquinismo cinematográfico funcionando, compartilham-se as vitórias provisórias como também toda a violência posterior. Fico muito feliz com os usos que o filme já serviu. Ele é utilizado constantemente em manifestações políticas, em atividades de greve, em núcleos de educação popular etc. Claro que se procurar problemas, ele certamente possui, entretanto, diferentemente do Hiato, que teve uma penetração mais rápida, o Atrás da Porta está abrindo seus caminhos aos poucos e, talvez, mais firme como instrumento de confronto ao estado de coisas. De fato, abrem-se as demandas da vitalidade e o conceito vem ao seu lado. As análises das tendências genocidas contidas nas políticas de terra promovidas pelo Estado, a serviço de uma classe dominante determinada pelo capital, que os moradores desenvolvem, surpreendem pelo nível de amplitude e alcance; e pela clareza nas estratégias e propostas. O pensamento destes moradores vai muito além da questão da moradia e a disposição de enfrentamento vem certamente desta consciência.

5- Como explica o cuidado com o habitat ocupado, apesar de toda transitoriedade? Ou será que é o oposto, a obrigação de cuidado com o transitório? Além disso, são nítidos os fragmentos de que uma ocupação prévia foi mal sucedida, mas a esperança das pessoas parece genuína. Como explicar?

Isso é realmente estranhíssimo. Já me relataram que é um fenômeno recorrente em ocupações que são despejadas em poucos dias. Aposto que seja pela intensidade do processo e pela imensa vontade de conquistar um espaço.

Colocar-se ao lado da família e se lançar numa luta tão desigual… é preciso territorializar rapidamente de alguma forma e isso acontece no excessivo cuidado ao recente espaço em disputa. O ato de “criar novos espaços de moradia” dos sem-teto se mostra um ato vital. Todos limpam, arrumam, transformam muito rápido, talvez, para ter força de continuar o confronto. Mesmo que nos pareça óbvio a transição e despejo seja o mais provável. Precisamos também marcar que várias ocupações seguem a luta e resistem no centro do Rio. Ocupações que se fortalecem tanto politicamente quanto juridicamente. Como é o caso da Manuel Congo, Quilombo das Guerreiras e Chiquinha Gonzaga.

6- Quando dá a câmera a uma das ocupantes, uma nova intimidade é criada. Poderia falar um pouco disso? Da mesma forma, há um momento em que mostra as imagens para elas, e de alguma forma se alegram. Como é essa tensão existente na necessidade de autonarrativa como sobrevivência?

Vários filmes já se aproveitaram desse procedimento, O Prisioneiro da Grade de Ferro, as realizações do projeto Vídeo nas Aldeias etc. No caso do Atrás da Porta, tudo se deu menos por um programa que uma atenção aos acasos. Já tinha assistido, sim, bons filmes onde os próprios protagonistas se registravam, mas não tinha qualquer intenção prévia nesse sentido. Até que a Sílvia segurou a câmera para que pudesse almoçar… e tudo aconteceu. Ela tinha gravado muito mais coisa, muito o filho dela e tive que cortar. Mas toda a montagem do filme foi um trabalho de desapego, pois gravamos cerca de 50 horas no total e ficamos no final com uma hora e meia somente. Certamente uma nova intimidade aparece ali. Assisti muitas vezes o trecho em que ela gravou e percebi como a imagem fica com uma leveza própria pelo jeito que ela conduz a câmera e aborda as pessoas. Ela em alguns minutos registrou e se aproximou das pessoas de tal maneira que quem assiste não deixa de se alegrar com aquelas imagens. De se sentir parte daquele coletivo. Acho que grande parte da indignação de quem assiste ao vídeo vem da proximidade que essas imagens proporcionam. Depois disso as imagens ficam um pouco mais dolorosas. Com relação a mostrar as imagens posteriormente aos moradores da última ocupação, foi uma ideia que tive já durante a montagem do filme. Me recordo de Cabra Marcado para Morrer e Boca de Lixo do grande mestre Eduardo Coutinho, de quando leva seus arquivos para gerar algumas fissuras nas pessoas que ele reencontra. Então preparei um pequeno corte de imagens dentro da ocupação seguido da série de agressões que as pessoas que estavam fora do prédio sofreram. Levei tudo em um ipod e mostrei antes da conversa. Fiz isso com os moradores e com os defensores públicos. Acho que isso pode ter gerado uma intensidade maior nas falas. Aproveitei e gravei eles assistindo… o que acabou entrando no filme. Novamente, não existe nenhuma novidade nessa tática, mas me alegro de ter percebido que isso foi necessário a realização desse longa. Se permite uma digressão, não vejo o Atrás da Porta um filme pretensioso que busca desesperadamente o novo, o autoral, o purismo do autêntico; vejo como um filme que encontrou e resolveu suas próprias necessidades com os recursos que dispunha, que soube retribuir o convite dos próprios moradores, como um filme pode somar aos seus esforços de luta. Acho que muitas exibições desses 2 filmes seguiram no esforço de unificação das lutas dos sem-teto em um ponto comum no âmbito das diferentes organizações que existem no Rio de Janeiro. Vejo grupos que debatem depois do filme como ampliar as lutas pela melhora das condições de vida de uma classe que não interessa muito para o crescimento, que se planeja para os próximos anos sob a ótica do capital. Tanto nesse filme quanto no Hiato a forma redonda da narrativa é um modo de retribuição. Nesses dois casos escapar de um filme puramente formalista foi uma escolha necessária. Debruço-me bastante sobre a questão da forma cinematográfica e as minhas poucas investidas nessa arte me mostraram a importância de tentar entender cada filme e a vida daqueles que estão no campo e no extracampo das lentes. Uma vez ouvi o montador Eduardo Escorel falar que sempre dá um filme. Essa afirmação, vindo de uma pessoa que se dedicou muito anos a montar filmes, sempre me soou enigmática. Penso que ela se dirige a inúmeras questões formais, que ela tem o intuito apontar uma saída possível aos impasses das questões últimas, as mais essenciais e as que discutem as funções teleológicas da arte cinematográfica. Não saberia aqui nem aprofundar nem esgotar essa afirmação, mas ela ultrapassa a questão de toda quantidade de filmes que fracassam, não se concretizam na montagem. Filmes que são montados, que se mostram nulos enquanto obra. Filmes, mesmo montados em diferentes versões continuam esvaziados de presença, como também filmes que encontram seu caminho. Filmes que tiveram suas vozes contempladas. Os filmes mais belos. Isso me parece essencial. Sempre dá um filme?

7- Como é se deixar trancar? Quanto tempo leva a última ocupação?

Infelizmente a ocupação durou apenas cinco dias. Desses, dormi dois dias lá. Tirando o último dia, nós podíamos sair e entrar. Havia uma barricada reforçada que seguravam a porta e dava certo trabalho na circulação. Diria que a experiência de estarmos trancado, na hora da ação policial, foi assustadora pela possibilidade de ficarmos fora do campo de visão das pessoas e dos grandes veículos de comunicação que estavam todos lá. Não sei se foi porque aquela região do Centro toda parou com aquela intervenção, não sei se foi porque a situação foi crescendo de proporção, se foi porque não conseguiram arrombar a porta, não sei exatamente o porquê, mas os policiais no final do processo estavam alterados e querendo pegar alguém para punir como exemplo. Nosso maior medo era ficarmos sozinhos com o Batalhão de Choque e a Polícia Federal lá dentro. Apesar de isso estar mudando, não se agride deliberadamente ou se executa uma pessoa normalmente na frente das câmeras. Na internet encontram-se inúmeros vídeos de ações policiais e de exércitos nos quais os próprios combatentes algozes filmam tudo que fazem, mas no geral ainda é uma forma de coibição a presença da câmera nos momentos que se quer agredir ou matar o outro. Alguns acharam que se devia continuar ali dentro e resistir ao máximo, já que a polícia não estava conseguindo arrombar o aparato de bloqueio da porta, mas só fomos até onde deu. Na hora decisiva se deliberou que era melhor, para resguardar todo o coletivo, abrir a porta e finalmente receber a dolorosa ordem de despejo. É preciso que se diga que passei recentemente na porta do prédio e ele está com um muro de alvenaria no local da porta e ainda não mora ninguém lá. É um prédio estatal, como inúmeros outros do Centro, que aguarda uma destinação que não é moradia popular.

8- Como percebe a fala dos juristas? Para mim de alguma forma, parece que ela não se sustenta.

Creio que essa percepção apareça pelo reforço de duas condições, exteriores ao papel das relações, que eles desenvolvem e que são mostradas no filme. Primeiramente, são os únicos com formação acadêmica que ganham voz no filme. E depois pela saturação atual que os especialistas adquiriram no papel de ratificação de qualquer questão quando lhe solicitam; sobretudo quando os moradores já tinham brilhantemente falado de como eles viam a conjuntura política do processo que os afeta diretamente. Geralmente no jornalismo um especialista chega com um ar de Voz de Deus para corroborar uma noção corrente. Os defensores públicos do núcleo de terras do Rio de Janeiro foram pessoas ativas no processo de defesa dos moradores e estão até hoje lá lutando em um quadro duro e desigual. Fui testemunha de como eles sofreram bastante também com tudo e ainda estão lá; a quantidade de despejos e demolições tende a continuar ampliando a medida que os megaeventos se aproximam e não só no Centro da cidade. É, talvez, preciso reconciliar o intelectual acadêmico com os ouvidos da sociedade. O Brasil possui um corpo docente na área de humanas que é extremamente rico e plural; as disputas das ideias precisam sair e transbordar os muros das universidades. É inegável que existe o intelectual-professor que está ali apenas para realizar uma pesquisa onde o meio se transforma em seu fim, ou seja, está na academia para direcionar sua pesquisa meramente para alastrar-se nos meandros burocráticos da instituição e aumentar seus ganhos pessoais. Muitos outros apenas se apoiam na universidade, mas querem debater e propor pensamentos. Além das ciências sociais, poderia destacar professores da filosofia, geografia, história, serviço social, psicologia, letras, cinema e comunicação que escapam das exigências tristes dos órgãos de fomento institucionais e pretendem pensar e criar. É preciso encontrar um canal, pois isso interessa muito as pessoas. No entanto, o que vemos é a formação de guetos que mal dialogam entre si. É necessário substituir as querelas de poder interno na academia pela disputa de alcance das teses. E isso precisa partir dos próprios professores. Se formos de fato todos intelectuais, posto que podemos pensar, por que aqueles que fizeram disso sua profissão precisam se isolar dos que tem outra atividade profissional? Queremos ouvi-los, conversar e algumas vezes argui-los… sem hierarquias. E no cinema acho que isso também deve se colocar assim. Fugir desse Hiii! Lá vem o intelectual. Inversamente, os filmes brasileiros mais acadêmicos são aqueles que negam mais veementemente a presença direta dos intelectuais. Não sei se isso tudo isso se iniciou com a assimilação das críticas às instituições que vários intelectuais europeus realizaram a partir década de 1960, ou com a crescente especialização que o doutor deve seguir atualmente, mas o caso é que o intelectual acadêmico se afastou muito das pessoas no debate de ideias e só publica e dialoga com seus pares. E desde que seu programa de pós-graduação tenha uma boa nota nos órgãos de fomento, suas publicações tenham uma boa qualificação, tudo vai bem e a meta foi cumprida. Aí transformam o meio acadêmico em uma finalidade.

9- Como percebe as ameaças que recebeu? Parece que antes você não podia entrar, e depois não podia sair. A identidade de documentarista lhe foi uma desvantagem?     

Acho que a polícia está cada vez mais atenta com relação às diferentes coberturas instauradas nos fatos políticos que são obrigados a enfrentar cotidianamente. Não é de hoje que também realizam suas filmagens na cara dos militantes com o intuito de intimidação. Outro dia acompanhei uma novidade em uma manifestação em São Paulo contra o aumento das passagens dos ônibus. Tinha o contingente que normalmente se destaca para esse tipo de ato, choque, soldados, P2, oficiais etc. Mas tinha um pequeno grupo de policiais resguardando outros dois: um filmava e outro carregava uma grande mochila com uma antena… Eles estavam transmitindo em tempo real toda a movimentação. Provavelmente estavam recebendo ordens de acordo com o que transmitiam. Nesse dia houve uma série de agressões e os novos-documentaristas a serviço do estado estavam bem no meio delas… Sempre filmando. Quando eles partem diretamente para agressão dos militantes, que também sempre filmam, e tentam quebrar as câmeras, ou eles já cometeram excesso ou não há a presença da grande imprensa no momento. Não há mais manifestações políticas sem a presença de câmeras. Acho que naquele caso eles não tinham a dimensão que era um documentário que já vinha filmando há alguns meses, mas que era um registro que destinava apenas a proteção das pessoas envolvidas e posterior denúncia. Um oficial de justiça chegou a me ameaçar que me daria voz de prisão, pois não queria vídeo com suas imagens na internet. O tamanho da câmera é um importante diferencial que orienta a forma com que a polícia se relaciona com cada tipo de mídia. Falava pro Chapolim que às vezes era necessário aquele trambolho da grande imprensa para abrir portas e garantir nossa segurança… Ele sempre ria. Mas o que é estranho é essa mistura de poderes e instituições. Os policiais confiam de tal maneira na grande imprensa que é comum no Rio de Janeiro, incursões policiais em que os jornalistas vão junto com o destacamento mais avançado, mesmo na linha de tiro. Vemos jornalistas com colete à prova de balas, com roupas da mesma cor que os policiais; sem a possibilidade de distinção, a certa distância, se estão portando um fuzil ou uma câmera. Simultaneamente, vemos um número menor das denúncias das execuções como auto de resistência. Não precisa nem mesmo ter acontecido um acordo às claras. Fica assim: me dá oportunidade de imagens espetaculares do confronto, à moda das grandes produções, com base em tiroteio em favela, que reproduzo no jornalismo o que se viu no cinema. É o famoso ‘juntos e misturados’. Temos novos integrantes nas Tropas de Elite com propósitos em comum. É também comum morrer um jornalista na linha de frente… que sempre tentam transformar em herói. Penso que as filmagens minoritárias possuem a desvantagem, em relação à segurança, de estar claramente no lado oposto. Como ainda não se criminalizou totalmente os movimentos sociais há ainda a possibilidade de chamar os jornalistas e utilizarmos a presença deles como salvo-conduto das manifestações. Isso pode já estar em transição dado o grau de envolvimento dos grupos midiáticos nos projetos e nos financiamentos estatais. Se isso se efetivar totalmente teremos, com certeza, dias muitos mais duros.

Contato

Entre em contato para desenvolvermos juntos novos projetos. Estamos no Rio de Janeiro.

contato@couroderato.com.br